Arquivo da categoria: Donkey Kong

Anonimínea, ainda não há rumores sobre um jogo de Donkey Konguíneo no Switch, mas as chances de vermos o gorilão no híbrido da Nintendo são enormes, já que os últimos consoles receberam jogos da franquia e fizeram um bom sucesso com os jogadores. Como a Big N entrou na onda de portar seus jogos do Wii U para o Switch, também não seria estranho vermos Tropical Freeze aparecendo por lá com alguns extras.

switch-dk

Pedra
Donkey KongNintendo Switch

Acho que as chances de isso acontecer são próximas de zero. Primeiro que ela já lucra vendendo esses jogos várias vezes para todo console que ela lança. Se você comprou em um e quiser no outro, terá que comprar novamente. Assim, é normal nintendistas adquirirem esses jogos de Super Nintendo várias vezes, mesmo sem eles terem qualquer tipo de trato diferenciado na imagem — e não são baratinhos. Ou seja, pra que a Nintendo iria gastar esforço em remakes de jogos do SNES se os consumidores já estão comprando como está? Nem o efeito 3D ela colocou nos jogos de Super Nintendo para o 3DS — até a SEGA fez isso no jogos dela da época do Mega Drive. Portanto, acho muito difícil que isso ocorra, e a Big N nunca fez qualquer menção nessa direção.

Pedra
3DSDonkey KongNintendo SwitchWii U

Se se tratasse apenas das marcas registradas relacionadas à franquia Donkey Kong, isso não seria um problema para a Nintendo, já que esta é a detentora da série e teria todo o direito de relançar o jogo, mesmo tendo sido desenvolvido pela Rare, assim como aconteceu com outros jogos de Donkey Kong, que puderam ser relançados no Virtual Console. O grande problema contudo, é que Diddy Kong Racing também incluía personagens que pertencem à Rare, sende eles o Banjo e o Conker. Devido a esses personagens, a Nintendo não pode relançar essa versão do jogo do N64 sem a permissão da Rare, o que é agora um pouco improvável, já que ela pertence à Microsoft. Naturalmente a Rare/Microsoft também não podem fazer isso, já que a franquia Donkey Kong pertence à Nintendo. Então, como você falou, o jogo fica em uma situação complicada… contudo, isso já foi contornado uma vez, para o relançamento do jogo no DS. E a solução foi fácil: a Nintendo simplesmente removeu os personagens da Rare (tendo sido substituídos por Tiny e Dixie Kong). Portanto, apesar da versão do N64 não poder ser relançada, a versão de DS poderia. Ou, melhor ainda, poderiam fazer uma outra nova versão – ou continuação – ainda mais melhorada e atualizada… basta eles deixarem de fora os personagens “vira-casaca”.

Pedra
Donkey KongNintendo 64

Para ter acesso ao mundo das nuvens, você primeiro tem que terminar o jogo e pegar todas as 8 Rare Orbs. Estas são obtidas em cada uma das fases especiais de cada mundo que, por sua vez, você desbloqueia quando pega as letras K-O-N-G de todas as fases de cada mundo.

Pedra
3DSDonkey Kong

Não, não… não perderia meu tempo com uma votação para algo tão pouco importante como cargos de prefeitura. Se um dia abrirem votação pra “Líder do Universo”, aí sim vou pensar a respeito. E diga-se de passagem que a minha vitória estaria mais do que garantida, né?!?

Sobre a sua pergunta, sim, de fato a versão de Donkey Kong Country Returns para o 3DS traz algumas novidades em relação à de Wii, sendo a principal delas a adição de um novo, nono mundo, chamado Cloud . Este novo mundo contém 8 novas fases e a fase Golden Temple, que já existia na versão de Wii. Portanto, estamos falando de 8 novas fases no jogo inteiro, além de outras pequenas diferenças (como um coração adicional, novos itens para comprar na loja, entre outras). Daí cabe a você decidir se essas diferenças fazem valer a pena investir na versão nova ou não. Se você realmente gostou muito do original e tem vontade de jogar tudo novamente, por exemplo, então acho que pode valer a pena sim. Agora, se você está mais interessado mesmo nas fases novas e a ideia de jogar conteúdo repetido não te atrai tanto assim, melhor não gastar, porque estamos falando de mais ou menos 12% de conteúdo novo apenas.

O mundo Cloud... veja que é de "nuvem" e não tem nada a ver com Final Fantasy, OK? xD
O mundo Cloud… veja que é de “nuvem” e não tem nada a ver com Final Fantasy, OK? xD
Pedra
3DSDonkey KongWii

De fato, os jogos da série Donkey Kong Country ficaram um pouco confusos, mas é assim: depois de cada jogo da série, no SNES, foi lançado um Donkey Kong Land respectivo para o GB/GBC, havendo assim, três deles também, DK Land 1, 2 e 3. Estes jogos não são ports, mas sim “continuações” de cada jogo do SNES, usando os mesmos personagens e inimigos, mas com fases e histórias diferentes.

Depois, foi lançado um port do Donkey Kong Country 1, também para o GBC. Aí sim é o mesmo jogo que o do SNES, com algumas diferenças no conteúdo, claro, para que ele pudesse rodar no portátil.

Apenas o primeiro jogo da trilogia foi portado para o GBC, mas os três também ganharam ports para o GBA. Nestes casos, por serem ports, também são exatamente os mesmos jogos que os originais em termos de história e das fases originais, mas nestes foram adicionados novos conteúdos, como modos extras e até um mundo novo, no caso de DKC3.

Quanto ao avestruz, não se sabe bem porque, ao ser incluído no minigame de DKC 2 para o GBA, ele foi nomeado de Expresso II e não é mais o Expresso original. Como você disse, isso pode tanto querer dizer que o Expresso original morreu ou que seja um filho dele. Ou então que não tenha nenhuma relação com o anterior, fora o mesmo nome. xD Mas nunca houve uma explicação oficial sobre isso, então só resta especular mesmo.

Pedra
Donkey KongGame BoyGame Boy AdvanceSNES

Na luta contra o Bleak, quando ele começa a atirar bolas de neve do chapéu, basta você desviar dos ataques que uma hora ele vai parar e dar uma abertura para acertá-lo. O padrão com que ele atira as bolas de neve é sempre o mesmo, então é fácil de decorar e desviar. Em todo caso, se ainda estiver com dificuldade, assista o vídeo a seguir para te ajudar:

Quanto a qual dos 3 DKC originais é melhor, certamente cada um terá uma opinião própria e muita gente poderá defender qualquer um dos três, já que todos eles são excelentes e praticamente equivalentes em questão de jogabilidade, diversão e qualidade dos gráficos. Contudo, a maior disputa com certeza será entre os dois primeiros, com o segundo provavelmente ganhando por pouco. Pode-se dizer que DKC2 foi o ápice da série no SNES, com as fases mais criativas e as melhores músicas. Já o terceiro de modo geral acaba ficando entre o menos preferido justamente porque acabou trazendo mais repetição, sem muita inovação ou melhorias… e porque, convenhamos, o bebezão Kiddy Kong é bem menos legal do que o DK ou o Diddy. Mas, novamente, não é por isso que ele seja ruim, ele é excelente também, só não é o preferido de tantas pessoas.

Pedra
Donkey KongSNES

Bom, a diferença mais significativa da versão pra 3DS em relação à versão de Wii (além do efeito 3D, claro) é que foi adicionado um novo mundo das nuvens, com oito novas fases. Fora isso, as diferenças são pequenas, tais como ter um coração a mais e algumas modificações no uso e compra de itens. Então, cabe a você decidir se acha que vale a pena pagar o preço do jogo para ter uma versão portátil do jogo que você já tem, com as principais diferenças basicamente sendo os gráficos em 3D e oito fases novas. Pedramente falando, eu diria que só vale a pena ter as duas versões quem for muito fã do jogo.

Pedra
3DSDonkey KongWii

A versão de DKC Returns para o 3DS é excelente. Se você pegasse o jogo sem saber que ele foi originalmente lançado para o Wii, você provavelmente nem diria que é um port. Obviamente os gráficos perdem um pouco da resolução, mas pra compensar tem o efeito 3D. Pode jogar ele sem medo, a versão portátil vale tanto a pena quanto a original.

Pedra
3DSDonkey Kong

Não, não é bom não. O grande problema é que esse era um jogo que seria originalmente lançado para o GameCube e usaria os DK Bongos como controle, mas por diversos motivos o jogo acabou sendo adiado demais e lançado para o Wii, usando movimentos do Wii Remote/Nunchuck ao invés dos bongôs. Se tivesse sido o jogo originalmente idealizado talvez tivesse sido mais um uso divertido dos bongôs. Simples, mas divertido. Mas ao ser “guardado” para o Wii, ele se tornou um jogo ultrapassado, simples demais e totalmente prejudicado pelos controles, já que os movimentos do Wii Remote são bem menos confiáveis que as batidas nos bongôs. Acontece muito frequentemente dos movimentos serem interpretados de forma errada, resultando em comandos que você não queria executar. Isso, somado a uma jogabilidade mínima (pense em um jogo de corrida onde os personagens se controlam sozinhos, a não ser por pequenas mudanças de um lado para ou outro e aumento de velocidade) faz de Barrel Blast um dos piores jogos do gorilão, sem dúvida. Para saber mais, leia a análise do jogo no Nintendo Blast.

Pedra
Donkey KongWii